Blog Lairce Cardoso

Lairce Cardoso

A VIDA É SINÔNIMO DE APRENDIZADO

14 de abril

Pai de família conta como aprendeu a olhar para a vida como sinônimo de aprendizado.

Nasci em monte aprazível, no interior do Estado de São Paulo no dia 06 de Outubro de 1967. Sou filho do Seu Valdemar e da Dona Maria. Tenho quatro irmãos. Eu sou o Alcir.

Minha infância foi muito difícil financeiramente. O que sempre teve de fartura na minha casa foi o carinho dos meus pais e as travessuras entre nós, os irmãos.   Mudamos para Campinas em 1.974, quando eu tinha sete anos.

A gente morava numa casinha simples no Jardim Nova Europa, e nessa época, apenas meu pai e minha mãe e um dos irmãos, o mais velho, trabalhavam para dar conta do sustento da casa.

Meu pai sempre foi Pedreiro e minha mãe, primeiro trabalhou como doméstica em casas de família, depois como cozinheira em empresas e por fim arriscou ter seu próprio negócio com cozinha industrial. Aí nessa época, todos nós trabalhávamos, com ela, para ajudar. Lacrei e entreguei muita marmita. Também trabalhei com o meu irmão Ozias na Unicamp. Ele era chapeiro e fazia lanches como ninguém e eu era seu auxiliar. E foi daí que firmamos uma parceria pro resto da vida.

Nessa ocasião eram tantas as dificuldades que não gosto nem de lembrar deste tempo.  Nós éramos muito tímidos e tínhamos vergonha de todo mundo.  Vivíamos escondidos pelos cantos. Os acontecimentos mais divertidos que me lembro da minha infância foram os aniversários, regados a base do refresco em pó k-suco e do bolo coberto com glacê.

Até os meus dezoito anos tive pouquíssimas, ou quase nada de experiência de vida. Não pensava em nenhum planejamento para o futuro. Desde pequeno eu queria ser da Policia Civil, mas sem qualquer apoio, o sonho foi embora junto com a minha infância. Na verdade até hoje tenho vivo este desejo. Agora, talvez até tivesse estrutura para seguir carreira, mas a idade não me permite mais. Foi um sonho e assim será.

Talvez seja por isso que o maior aprendizado de minha vida veio com a experiência de servir o quartel. Como todo recruta fiquei no internato por um mês sem qualquer contato com a minha família.  Sofri muito e a saudade me corroía a alma, porque até aquela idade não tinha ficado um dia sequer longe da minha família.

No começo foi muito sofrido. A gente fazia de tudo, desde a limpeza de onde vivíamos até os mais rígidos e complexos treinamentos para fuzileiros. Ninguém era melhor que ninguém. Todo mundo tinha a sua importância na Infantaria. Ali foi minha primeira experiência de viver em comunidade e em equipe.

Aprendi a cozinhar, conversar com as pessoas, ter mais respeito, perder o medo, aprendi a atacar quando preciso e a me defender para sobreviver.

Nos testes de sobrevivência passei muita fome e sede. A gente ficava no meio do mato, praticamente sem comida e sem bebida, sem banho e sem teto. E foi no desenrolar destes dias que aprendi a dar mais valor nas coisas essenciais à nossa vida, como comida e água. Por isso até hoje não gosto de desperdício.

Aprendi, também a valorizar outras coisas que, no dia a dia não damos a menor importância, como um bom banho, cama limpinha e cheirosa, roupa limpa. Aprendi a valorizar o trabalho árduo da minha mãe.

O que me trouxe muita alegria naqueles dias foi a entrega da boina. Numa cerimônia própria recebi das mãos de minha mãe a boina que me fazia galgar um patamar maior na ordem militar, passei a ser soldado. Senti muito orgulho de mim, foi a minha primeira conquista, a primeira coisa que consegui com meu próprio esforço.

O Ralo da boina, como era chamado, consistia em ficar uma semana no mato participando de treinamentos de sobrevivência para preparação para guerra. Ali a gente treinava resistência física, dia e noite, através da prática de esportes. E só quem passasse por esse treinamento poderia receber a boina.

Servir o quartel, reco como éramos apelidados, foi, sem dúvidas a experiência mais significativa que me ensinou a olhar o mundo com mais interesse, sem descriminar ninguém, independente de raça, cor ou situação financeira. Comecei a ser mais exigente comigo.

Foi realmente uma experiência revolucionária pra mim, mas não tive vontade de seguir carreira no Exército. Daquela época guardo apenas com gratidão as lições que foram como um trampolim para o que sou hoje.

Depois da baixa no quartel, trabalhei em vários lugares, para ajudar minha família, mas infelizmente não me aprimorei meus estudos, tampouco minha vida profissional. O que me arrependo muito.

O que mais trouxe felicidade na minha vida foi meu casamento, ter construído minha família e ter meu filho. A vinda do meu filho foi a maior emoção que já vivi.  Quando a adoção do Lucas foi definitivamente concluída e ele veio para nossa casa, a preocupação era tanta, que eu tive diarreia durante uma semana. Meu Deus era pai. E agora?

Mas com as mesmas dificuldades, que todos os pais que conheço têm, vou caminhando e procurando dar o melhor para minha família.

A maior dor da minha vida foi a morte do meu querido pai e mais recentemente da minha mãe. O que me conforta é que eu tive tempo de ser um bom filho para eles. Quando ambos precisaram, eu estava lá para ampará-los. Tenho muitas saudades deles, mas sei que estão num lugar abençoado por Deus porque eles merecem.

Atualmente estou em fase de transição profissional e, depois de muitas mudanças através dos aprendizados adquiridos neste último ano, estou me adaptando ao meu próprio negócio e a uma nova oportunidade que a vida, através de meus esforços e do apoio de minha família, tem colocado no meu caminho.

Quer me conhecer melhor? Assista ao vídeo “Quem sou eu” https://www.laircecardoso.com.br/quem-sou-eu

Sobre o Autor: Lairce Cardoso
Lairce Cardoso

|

Nasci no berço da família Cardoso, na cidade de Paranapuã, no interior de SP no dia 15 de Julho de 1.963. Sou a nona filha do Senhor Libério e da Dona Lindaura.

Comentários (7)

Léo alvarenga Responder

Nossa quase nove anos aí e sempre achei que o Alcir tem tipo de polícial kkkk,q Deus abençoe sua nova empreitada Alcir ? sucesso!

14 de abril de 2020 at 18:12
Isabel Fernandes Responder

Linda história sua meu afilhado…..sucesso na sua nova empreitada…..Deus abencoe grandemente!!!!

14 de abril de 2020 at 18:25
Carlos Eduardo Responder

Esse é meu tio Zico, dono de um coração gigante a alegria dos sobrinhos. Me lembro que na época que servia ao EB. Me deu uma blusinha com símbolo do batalhão (BIB), incrível eu tinha 3 anos e me lembro .
Como quem me avisava, um dia chegará sua vez Tbm servi neste local e Tbm tive a vida redirecionada.
Tenho orgulho desse tio, da personalidade integra, da forma que zela pela sua família e da capacidade de se reerguer.
Felicidades que Deus o abençoe sempre.

14 de abril de 2020 at 18:41
Sonia Responder

Parabéns, Alcir!
Bonita história de vida, o que já vivemos nos impulsiona é assim podemos escolher o que queremos ou não por dias melhores em todos os âmbitos.
Boa sorte no seu novo empreendimento! ?

14 de abril de 2020 at 19:18
Mari Responder

Olha só, a qnto tempo já se tornou meu tio, e eu não conhecia sua história…. Vc é sim, um vencedor, e tudo o que viveu lhe trouxe até aqui, principalmente suas escolhas. Força, foco e fé nesta nova etapa! Estaremos aqui, torcendo pela sua vitória!!

14 de abril de 2020 at 20:00
Bárbara Responder

Linda história de vida tio Zico, você conseguiu tirar grandes aprendizados da vida e esta passando para todos nós da família um grande exemplo honestidade e bondade, de riso frouxo e abraço apertado sempre transbordando amor por todos, sem dúvida uma pessoa abençoa e muito iluminada por Deus!
Muito Orgulho!?

14 de abril de 2020 at 21:19
Alexandra Responder

Ah tio Zico é assim que o conhecei rs e assim será. Que história linda, um exemplo de filho, amigo e pai de família. Sempre muito prestativo, dedicado e disposto a ajudar. Que você continue sendo esse exemplo de caráter e humildade para todos nós. E que Deus continue lhe guiando e abençoando você e sua família linda a cada dia! Grande abraço!! ??

15 de abril de 2020 at 00:31

Deixe uma mensagem

Qual o seu nome?
Preencha com um e-mail válido
O seu endereço de e-mail não será publicado
Digite uma mensagem :)