Blog Lairce Cardoso

Lairce Cardoso

O SONHADO JANTAR DE NOIVADO

20 de dezembro

Chegou o sonhado jantar de noivado e logo nos primeiros raios de sol Larissa já estava assoberbada com seus afazeres. A noite tinha que ser perfeita, afinal de contas, aquele jantar deveria ser o primeiro, dentre todos os demais compromissos que viriam a seguir, que ela desfilaria em público ao lado de seu amado.

Depois de uma noite mal dormida que passou remoendo a terrível discussão que tivera com a mãe, Larissa levantou muito decidida e prometeu a si mesmo que não se abalaria por causa de qualquer pensamento negativo, tampouco permitiria que alguém atrapalhasse o acontecimento daquela noite especial.

Dessa forma passou o dia envolvida com os detalhes do sonhado jantar de noivado seguida por Carolina que viera para auxiliá-la. Embora tivesse optado por uma comemoração mais simples, fez questão de que tudo fosse muito elegante e bonito. Aquela era uma importante oportunidade para mostrar a Giuliano que ele tinha feito a escolha certa e que, ainda que fosse de uma classe social inferior a dele, jamais o envergonharia em meio a sociedade.

No fim do dia Larissa estava exausta e por causa da correira do dia mal teve tempo para se alimentar adequadamente e, provavelmente por consequência disso, sentia o estomago revirar e as náuseas ia e vinha .

Num determinado momento do dia, achou que iria desmaiar tamanho o mal estar que sentia.

Mesmo assim, não permitiu que a mãe se ocupasse com nada e poucas foram as atribuições dadas à Carolina. Fez questão de cuidar de cada detalhe pessoalmente. Ela conhecia muito bem o gosto apurado do amante.

Ainda por cima, além de toda preocupação e labuta para impressionar com os preparativos do tão sonhado jantar de noivado , teve que driblar os sentimentos adversos que poluíram sua mente por quase todo o dia. Ora, era a inquietação com a maldita corrida de carros, ora, era a angústia por causa da atribulação com a mãe na noite anterior. As barbaridades ditas pela mãe não saiam de sua mente.

Em alguns momentos sentiu uma enorme necessidade de descansar um pouco, mas ela não se deu ao esse luxo. Tinha muita coisa em jogo e o sacrifício daquele desgaste valeria muito a pena, pois num espaço muito curto de tempo estaria livre de tudo aquilo. 

– Tá tudo muito lindo e elegante menos você. Disse Carolina. Você está horrível, abatida e mal arrumada. Chega de cuidar tanto desse jantar e vá cuidar de você, mulher. Quer que Giuliano a veja desse jeito?

Olhando para o espelho da sala, Larissa ficou surpresa e assustada ao ver sua  aparência horrível e, pela primeira vez no dia, resolveu escutar um conselho dado por uma de seus ajudantes.

– Você tem razão estou horrível! Já que por aqui já está tudo nos conformes como eu planejei, vou me retirar para descansar uns minutos, estou me sentindo mesmo um pouco cansada. Mas me aguarde que logo mais estarei maravilhosa à espera de meu homem.

– Faça isso! Deixe que, se preciso for, tomo conta de tudo por aqui.

– Não faça isso Carolina! Sei exatamente como organizei tudo, portando não coloque a mão em nada. É uma ordem entendeu? E isso vale, também, para a Senhora Dona Rute.

– Quanto a senhora, apenas se apresente na hora do jantar e responda simplesmente o que lhe for perguntado e nada mais. Concluiu suas ordens e retirou-se da sala sob o olhar incrédulo das duas.

– É muito abusada. Com quem pensa que está falando? Disse Rute muito irritada.

– Por favor Dona Rute, pelo menos uma vez na vida, faça o que sua filha está pedindo. Vai ser bom pra vocês duas.

Rute virou sob os calcanhares e saiu da sala deixando Carolina sozinha no meio da sala, implorando a Deus que controlasse o mau gênio daquelas duas.

– Meu Deus! O que eu estou fazendo aqui no meio dessas duas loucas. Pensou Carolina e também se retirou para arrumar-se para a noite.

Carolina não participaria do tão sonhado jantar de noivado como antecipadamente havia combinado com a amiga, mas estaria por perto caso ela precisasse de qualquer ajuda.

No entanto no meio daquela peleja entre mãe e filha já estava quase se arrependendo de ter prometido o seu apoio, mas enfim já que estava lá, no fundo queria apenas acalmá-la porque entendia a sua angustia. Esse sonhado jantar era muito importante para Larissa. Era tudo ou nada.

O dia se foi e a noite chegou e ao contrário do que Larissa esperava, surpreendentemente teve vontade de se enfiar embaixo dos lençóis e por lá ficar, tamanho o mal-estar que sentia, mas não podia. Agora não.

Reunindo todas as suas forças e num esforço sobrenatural levantou e se enfiou embaixo do chuveiro, pedindo a Deus que levasse aquele desânimo para longe dela.

Suspirando, reuniu mais uma vez suas forças e pôs a se arrumar e quando apareceu na sala de jantar arrancou aplausos da amiga e um olhar de deboche da mãe. Embora ela reconhecesse que a filha era, de fato, uma mulher lindíssima, em nada iria facilitar a vida da filha.

– Ela deve mesmo ter enrolado esse abestalhado que vem aí, apesar de que, mesmo sem saber muito sobre esse caso sinto no ar que há algo de errado nesse angu. Ela pensa que me engana, mas eu a conheço muito bem. Rute acomodada num canta da sala, ruminou suas desconfianças em seus pensamentos, enquanto aguardava as ordens da filha.

Larissa vendo que a mãe a encarava, devolveu-lhe o olhar ameaçador dos últimos dias, fazendo com que ela desistisse de expressar qualquer crítica ou comentário, ainda mesmo que a palavra tivesse chegado à sua boca.

O jantar estava marcado para as vinte horas e os ponteiros do relógio já denunciavam quase uma hora de atraso do seu pretendente.  Larissa não conseguia disfarçar a aflição daquela espera angustiante e o olhar de desconfiança da mãe, queimava sua pele.

– Calma Larissa! Lembre-se que hoje ele tinha um compromisso muito importante, que pode ter atrasado. Sabe como são essas coisas com patrocinadores, eles não tem horário pra nada. Disse Carolina, tentando aliviar o sofrimento da amiga.

Larissa permaneceu muda, apesar da imensa vontade de sair correndo daquele lugar e sumir para muito longe do olhar maligno de sua mãe, mas ela não podia desistir. Por isso se ajeitou e procurou esquecer a mãe lá no canto da sala.

Foram mais alguns minutos de aflição quando ouviu o som do carro, que conhecia muito bem. Reconheceria aquele som de longe, por causa das constantes escapadas às escondidas da mãe. Sim era Giuliano.

Carolina se adiantou para olhar pela janela e num largo sorriso aliviou o coração da amiga.

– Não disse que era só um imprevisto. Seu príncipe acabou de chegar.

Mal soou a campainha, num supetão, Larissa abriu a porta e o susto que levou a deixou paralisada.

Genaro estava parado à sua frente trazendo nas mãos um maravilhoso arranjo de flores.

Sem entender do que se tratava ela tentou balbuciar algumas palavras na tentativa de conseguir uma explicação. O que Genaro estaria fazendo ali? Cadê Giuliano?

Sua voz ficou presa na garganta e Genaro a fitá-la com os enormes olhos negros que lhe metiam medo, deu um passo em direção ao interior da casa, sem que Larissa conseguisse se mover, tamanha a confusão que estava em sua mente.

– Boa noite, senhoras! Genaro educadamente estendeu seu cumprimento as demais mulheres no interior da casa, ainda que Larissa não o tivesse convidado para entrar.

Lançando um breve olhar pela casa ele pode vislumbrar a arrumação da mesa de jantar e com um pouco mais de cuidado pode contemplar, também, a beleza de Larissa, que estava elegantemente trajada para o evento daquela noite inerte à porta de entrada, sem saber o que fazer.

– Perdoe-me pelo meu atraso!  Que deselegante de minha parte, mas vocês conhecem aqueles sujeitos, eles não me dão trégua. Por favor, peço que não estreguemos nossa noite por esse meu deslize. Genaro continuou com seu discurso, como se não houvesse nada de errado.

Larissa incrédula com o que estava acontecendo bem à sua frente, lançou um olhar para Carolina que estava boquiaberta e sem entender nada, depois voltou seu olhar para Genaro e vendo-o caminhar em direção da mãe, sentiu suas pernas bambearam e a emoção tomou conta de seu corpo.

O mundo girou e desapareceu diante de seus olhos.

Capítulo IX – O SONHADO JANTAR DE NOIVADO

https://www.laircecardoso.com.br/romanceando/o-que-esta-acontecendo-aqui/

Sobre o Autor: Lairce Cardoso

|

Nasci no berço da família Cardoso, na cidade de Paranapuã, no interior de SP no dia 15 de Julho de 1.963. Sou a nona filha do Senhor Libério e da Dona Lindaura.

Comentários (1)

Isabel Fernandes Responder

Nossa!!!!
Já estou me sentindo dentro da história…..louca pra saber dos próximos capítulos!!!!
Rsrs.

4 de março de 2020 at 20:21

Deixe uma mensagem

Qual o seu nome?
Preencha com um e-mail válido
O seu endereço de e-mail não será publicado
Digite uma mensagem :)