Blog Lairce Cardoso

Lairce Cardoso

MINHA MÃE NUNCA ME AMOU!

14 de dezembro

-Minha mãe nunca me amou! Isso é fato, mas ela poderia, pelos menos facilitar nossa convivência. Desabafou Larissa à Carolina.

– Amiga, você não está exagerando um pouco. Tá certo, Dona Rute é muito dificil de lidar, mas daí achar que ela na te ama, não é demais.

Larissa calou-se. Por mais que se esforçasse não conseguiria explicar tal sentimento a alguém que era benquista e adorada por seus pais.

Mas nada o que Larissa fizesse agradava a mãe. Se ficasse em casa ela achava que a moça desperdiçava sua preciosa juventude negligenciando seus dias . Se saísse, ainda que fosse com a única amiga que lhe restava, no seu retorno infernava-a com o bombardeio de interrogatórios e ofensas.

O excessivo capricho materno somado às decepções pessoais de Rute, tornou-se um peso na vida de sua filha, assim nos últimos tempos a insegurança quanto ao sentimento de Giuliano juntamente com a hostilidade da mãe quase enlouqueceu a pobre Larissa.

Não se podia mais tolerar o intolerável, já que todos os limites de tolerância haviam sido atingidos, por isso a convivência entre as duas tornou-se insuportável. Larissa apenas suportava a presença mãe pois entendia que a civilidade era necessária para o convívio diário.

Dias atrás, quando Larissa retornou de seu furtivo encontro com o amado, Rute despejou toda a amargura e malquerença de seu viver sobre a filha, levando-a ao desespero e neste momento de transtorno e cansaço, sem pensar nas consequências Larissa revelou o verdadeiro motivo de suas misteriosas escapadas.

Revelou sobre o namoro com o belo rapaz da alta sociedade e que ele queria conhecê-la naquele fim de semana, provavelmente para oficializar o compromisso e quem sabe agendar a data de seu casamento.

Larissa esperava que a notícia iria alegrar a mãe, afinal de contas, desde sua adolescência Rute escolhia os amigos da filha, dizendo que amigo pobre era perda de tempo. Ensinou a regras de etiqueta ao sentar-se à mesa e a se vestir como uma dama da sociedade. Reprovava o linguajar da juventude e dizia que a filha deveria saber ostentar o luxo.

Ensinou a filha sobre a arte de sedução, por isso Larissa sempre foi muito envolvente e sabia muito bem usar seus artifícios femininos na arte de seduzir, por isso teve tanto êxito com o seu plano para arrebatar o coração do italiano.

Mas ao contrário do se esperava, entre palavras de desdém, ironia e deboche, Rute desatou a rir às gargalhadas levando Larissa ás lágrimas, e neste momento ela desejou do fundo de sua alma que aquela não fosse sua mãe, pois estava muito claro que ela jamais a havia amado.

– Então você quer me convencer que existe um príncipe encantando, lindo e rico que irá salvá-la da sua vidinha medíocre? Quer mesmo que eu acredite em toda essa balela? Antes de se achar o máximo não se esqueça que um dia eu também fui a princesa prometida de um príncipe. E daí?  Aconteceu o que ele me prometeu? Você é mais tola que imaginava. Concluiu a mãe, rispidamente e sem piedade.

Larissa estava com o coração partido e já não suportava mais aquelas ofensas, por isso também não economizou nas suas palavras.

– Muitas vezes em minhas noites de angústia fiquei tentando entender, quais os motivos que um homem teria para ter a coragem de abandonar uma mulher com um filho no ventre. E a resposta foi ficando mais clara a cada dia que passo na sua companhia. Nunca, em toda minha vida conheci alguém tão amarga, tão infeliz e tão merecedora de ser abandonada quanto a senhora.

Rute num ataque de fúria, praticamente voou sobre a filha esbofeteando-a e deixando em seu rosto a marca de sua raiva, e sem qualquer remorso, desferiu contra a filha toda a raiva reprimida em seu peito durante tantos anos.

– Ingrata! Gritou à plenos pulmões. Fui abandonada porque não tive a coragem de arrancá-la de dentro de mim. Antes tivesse tido. Você e só você foi o motivo por eu ter sido abandonada. Eu o amava mais que tudo nessa vida, mas ele não a queria e eu acovardei na hora de concluir o serviço. 

Larissa sentiu como se tivesse levado um soco no estomago e sabia que ali, havia encerrado qualquer sentimento de amor por aquela mulher. Como ela pudera dizer-lhe aquilo. Mas que nunca, naquela hora estava certa da desconfiança que rondava em seu coração: minha mãe nunca me amou.

Tremia como vara verde e com voz trêmula de aflição desferiu num só golpe toda decepção de ter vindo ao mundo através daquela mulher.

– Então estamos quites, pois até esta data sofro por não ter a coragem de arrancá-la de minha vida. Até hoje não tive escolha, mas agora tenho. Acredite ou não, existe uma pessoa que aprendeu a me amar e que eu farei tudo para tê-lo ao meu lado.

-Muito bem, princesa! Vamos ver se o seu conto de fadas irá se realizar e se essas promessas irão mesmo se concretizar.

– Pois saiba que tudo farei para que reste apenas poucos dias na sua convivência. Tenho certeza que muito em breve serei despossada por quem me merece. E se depender de mim, você viverá até os fins de seus dias aqui nesse buraco e terá tempo o suficiente para remoer todo seu amargor.

– O que está dizendo sua maldita? Que irá se casar e me deixará aqui?  

– Exatamente isso, pois não a quero em minha vida nem um dia mais que obrigatório. Quero apagar de minha mente os dias cinzas que me obrigaste a viver na sua companhia. Não suporto mais viver sob essa nuvem negra que carrega acima de sua cabeça. Mereço dias mais coloridos.

– E o que vou fazer? Como vou viver?

– Isso realmente não sei e pouco me importa. Não disse que seu pai teria dinheiro para nos sustentar a vida toda. Vá atrás dele, porém acho que ele também não a suportará. A minha vida será muito diferente da sua porque comigo tudo dará certo e acredite, tão logo eu me case, não terá nem o endereço da minha residência.

E ali Larissa encerrou a conversa com a mãe quando bateu atrás de si a porta, mas antes de sair deu um, último mas ameaçador, recado à mãe.

– E amanhã quando Giuliano vier nesta casa finja que é a melhor mãe do mundo. Se atrapalhar meus planos não tenha dúvida de que me livrarei de você antes de ter outra residência. Seja doce é assim que ele acredita que é a minha mãe.

-E não pense que facilitarei qualquer aproximação sua com Giuliano. Se desconfiar que tentará levar vantagem, de alguma forma ele terá conhecimento de quem é você, e creia ele não terá o menor pudor em esquecer que você existe quando souber que minha mãe nunca me amou. Não terá nenhuma chances com ele.

Rute além de muito apreensiva com o seu destino assustou-se com o tom de ameaça da filha.

– Puxou ao gênio do traste do pai. Falou pra si mesma

Capítulo VIII – MINHA MÃE NUNCA ME AMOU

Veja o capítulo IX – O TÃO SONHADO JANTAR DE NOIVADO

https://www.laircecardoso.com.br/?p=1195

Sobre o Autor: Lairce Cardoso

|

Nasci no berço da família Cardoso, na cidade de Paranapuã, no interior de SP no dia 15 de Julho de 1.963. Sou a nona filha do Senhor Libério e da Dona Lindaura.

Comentários (1)

Léo alvarenga Responder

Vixi?isso tá ficando cada vez melhor rsrsrs ,q venha sexta-feira!

15 de dezembro de 2019 at 23:03

Deixe uma mensagem

Qual o seu nome?
Preencha com um e-mail válido
O seu endereço de e-mail não será publicado
Digite uma mensagem :)