Blog Lairce Cardoso

Lairce Cardoso

ACOLHA E CURE SUA CRIANÇA INTERIOR

12 de abril

Acolha e cure sua criança interior e transforme sua vida adulta.

Resgate sua criança interior! - Blog da Fênix

Todos nós temos uma criança interior e é ela que mantém a chama da vida acesa, iluminando qualidades como entusiasmo, leveza, curiosidade, humor e espontaneidade.

Porém, com o passar do tempo devido às experiências de desamor, exclusão e abandono de nossa criança, ela vai se retraindo. Para se proteger vai se escondendo em algum cantinho lá dentro nós, como se fosse um caracol a se esconder em sua casa quando está com medo. Essa fuga tem como consequência a dificuldade em receber ou dar amor plenamente em nossa vida adulta.

As dores da criança têm grande impacto na vida adulta, inclusive limitando o seu progresso pessoal. Toda essa situação resulta da vivência com os pais na infância, pois é nesse período da vida que se se molda todos o comportamento e que se relacionará consigo mesmo e com os demais.

Por isso, a importância de uma infância saudável e respeitável, pois é nesta fase da vida que se aprende a expressar, dizendo como se sente. A figura adulta é de suma importância para guiar as crianças em meio às grandes emoções vivenciadas nessa fase, mesmo porque, é nessa fase da vida que se aprende a externalizar seus sentimentos.

Toda criança precisa

Jornada de cura da criança interior - Parte 2

Toda criança quer e precisa ser reconhecida e ouvida pelos pais. Mas a maioria nasceu de pais que carregam seus próprios traumas não resolvidos, herdados de seus pais.

Desta forma também é difícil para eles saber como regular suas próprias emoções e, portanto, não conseguem lidar bem com as emoções dos seus filhos. Por isso, ao adaptar à sua realidade, para se sentir pertencemente àquele sistem familiar, a grande maioria dos filhos se preocupam em agradar aos seus pais. Então, buscam tornar-se o que eles esperam que sejam e, esquecem totalmente de ser o que, de fato, gostariam de ser.  

Na busca de agradar aos pais é que, em geral, os filhos vão se comportando da maneira que como eles valorizam e acreditam que seja bom. Como consequência, aprendem a valorizar em si mesmo, apenas o que são vistos por eles como bom. O restante passa a ser vergonhoso ou mau, matando assim a sua própria essência e, ferindo sua criança interior.

A pior parte disso tudo, é que inconscientemente, esses filhos repetirão o mesmo padrão com os seus filhos. Estes muito provavelmente farão a mesma coisa, com os seus filhos e assim sucessivamente. Como uma bola de neve, essa ferida vai tomando grandes proporções neste sistema familiar. E, essa são as tais repetições de padrões familiares.

A Criança interior ferida

Todas as situações dolorosas em que nos sentimos assustados ou violados, que nos causaram medos e dores, criaram emoções não resolvidas e necessidades não atendidas. O pior é que elas não desaparecem, assim simplesmente. Elas existem dentro de nós, e é através dessa lente que enxergamos o mundo.

Uma pessoa adulta, com sua criança interior ferida tem:

  • Baixa autoestima
  • Imagem corporal distorcida,
  • Medo de críticas,
  • Resistência a mudanças,
  • Profundo medo de abandono nos relacionamentos.  

Esses aprendizados da infância podem fazer com que as fantasias infantis se tornem recorrentes e venham à tona em diferentes situações na vida adulta.  

As fantasias da criança interior funcionam como professores que permite ver que parte de si mesmo precisa de cura, ou ainda que parte precisa ser honrada por não ter obtido o precisava, em uma fase muito importante do seu desenvolvimento.  

As verdades que foram ditas

Em geral, a criança toma tudo que lhe é dito como verdade, principalmente se essas falas são pronunciadas pelos, pais, professores, avós ou demais pessoas que são importantes ou se tem como referência em suas vidas.  

Acontece, porém, que nem todas as coisas que se ouve nessa fase da vida são positivas e isso, infelizmente, pode trazer confusão, preocupações, capazes até mesmo de desconectar da natureza infantil.  

Exemplos de falas entendidas pela criança como “verdades”:

  • Você é muito…” (chato, fraco, sério, barulhento, burro, etc.);
  • Você não é bom o suficiente em…” (matemática, esportes, fazer amigos, etc.);
  • Você não tem modos” (desastrado, feio, rejeitado, não quisto);
  • Você deveria ser como…” (seu irmão, seu colega, seu primo);
  • Desse jeito, você nunca terá…” (amigos, emprego, um amor);
  • Foi culpa sua se eu…” (Gritei, te bati, fiquei zangado).

Sinais de Crinça Interior ferida

  • Medo de receber críticas;
  • Medo ou vergonha de se expressar em algumas situações;
  • Tendência a esperar que outras pessoas falem primeiro para saber o que é “certo” fazer ou dizer, ou de que forma se posicionar;
  • Colocar-se em situações onde se tenta ajudar ou “salvar” alguém;
  • Dificuldade em dizer “não”;
  • Sentir-se responsável pelas emoções dos outros.

Esses são apenas alguns exemplos de como a criança interior ferida se expressa. O que ocorre na maioria das vezes é que não se dá a devida atenção para esses sinais. A tendência é descartar ou invalidar essas emoções, como o pai ou a mãe fizeram no passado. Dessa forma, mantem-se o ciclo e a Criança Interior permanece não sendo ouvida. Daí, muito provavelmente, se manifesta em momentos de confrontos na vida adulta que remetem a alguma experiência já vivida.  

Curando a nossa criança interior – Entre Aspas

Um simples exemplo

Antônio foi escolhido pelo seu superior, entre as pessoas de sua equipe de trabalho para apresentar um relatório com informações específicas do trabalho. Ele se esforça e por dias seguidos se debruça sobre esse trabalho, esperando fazer jus a escolha do seu superior. Ao entregar o trabalho, esperando receber todo reconhecido e aplausos, o superior diz que o trabalho está muito bom, mas solicita que ele faça duas alterações no trabalho entregue. Isso, porque, apesar do bom o trabalho, alguns ajustes se fazem necessários, para maior clareza das informações prestadas. Explica seu superior.

Antônio gagueja, envergonha-se. E, ainda que receba a informação que seu trabalho está muito bom e tudo é uma questão de ajustes, ele se sente incapaz. Num piscar de olhos, pensamentos como “não sou bom o bastante”, “nunca faço nada direito”, inundam sua mente.  

Por que isso acontece?

Porque, embora o seu “eu adulto” tenha entendido que apenas alguns ajustes são necessários, sua criança interior sente-se acuada porque uma memória infantil foi acessada. Sentimentos de Rejeição, inferioridade, baixa estima disparam toda dor em seu inconsciente.

Só para ilustrar, continuamos com o exemplo: Quando tinha 9 anos, ao mostrar que tinha se saído bem na prova de matemática, com nota 8,0, ouviu de seu intransigente pai: “Quando você vai conseguir tirar um 10 igual o seu irmão?” “Você não tem que ser bom, tem que ser perfeito”. Naquele momento seu “eu infantil” foi constrangido e diminuído, fazendo sentir-se inferior em detrimento ao irmão.  

No pedido do seu Superior, a criança interior de Antônio e reviveu todo desolamento de sua infância. Por esse motivo, sentimentos como “não faço nada direito”, “não sou bom o bastante” se fizeram presentes, trazendo o sentimento de inferioridade.  

Pare e reflita: Isso já aconteceu com você? Pois é, possivelmente foi sua criança interior chorando suas dores.

Acolhendo sua Criança Interior

Nesses momentos de dor a criança interior está experimentando incertezas, medo, confusão. À princípio, quando começa-se a acolher a criança interior, é bem possível que as dúvidas e os medos o façam negar sua própria realidade.

Começar a validar, ou seja ouvir e ver a criança interior como um pai amoroso e sábio, pode parecer estranho ou bobo no início, mas não se assuste, é perfeitamente normal. O ego vai resistir a este trabalho porque está sempre procurando proteger a criança interior.  

É bem provável que seu ego dirá coisas como “isso é bobagem”, ou “que perda de tempo”, mas tranquilize-se e apenas observe, pois isso faz parte do processo.  

Ademais, esse processo é uma experiência muito gratificante e belíssima, pois nos ensina a ter mais empatia por nós mesmos por nossos pais, e até pelos outros. À partir da cura da sua criança, consegue-se sentir a criança interior de outras pessoas se manifestando diante de alguma situação e como resultado, muitos julgamentos, passam a não ter mais sentido.

Conectando-se com sua Criança Interior

Como acolher a nossa criança interior? - Anita Gomes

Existem muitas técnicas para acessar a Criança Interior, sendo possível que muitas emoções surgirão à medida que esse “contato” for acontecendo. 

Para te ajudar, vou deixar aqui um exercício que você pode usar para iniciar esse processo de resgate de sua Criança Interior:  

Procure um lugar tranquilo, e certifique-se que não será interrompido. Se gostar crie uma ambiente agradável, pode colocar uma música relaxante, um incenso, uma vela, apesar de não ser essencial, criará atmosfera bem gostosa, que com toda a certeza irá auxiliá-lo nesse processo.

Sinta-se confortável nesse lugar e então respire profundamente. Inspira e Respira. Repita essa respiração bem profunda três vezes, depois respire normalmente. Então perceba se está mais relaxado.

Agora, coloque a mão em seu coração e faça uma conexão com a com sua criança interior, trazendo à sua mente, memórias de sua infância.

Permaneça por alguns minutos acessando suas memórias infantis. Caso seja difícil pra você lembrar de muitas situações da infância, você pode fazer esse exercício olhando fotos sua quando criança.  Mantenha-se tranquilo, mesmo que venham emoções dolorosas. Respire profundamente e, com muito amor, converse com ela como faz com aquela criança que ama muito. Aproveite o momento e diga a ela:

  • “Você é muito importante e muito querida pra mim”;
  • “Você está segura(o) agora e eu também estou seguro”;
  • “Está tudo bem sentir medo, eu estou aqui, entendo seus medos e protejo você”;
  • “Você não precisa ser o que não quer ser, só para agradar os outros e eu também não preciso ser assim”;
  • “Nossos pais são seres humanos feridos também, que podem ter, inconscientemente, projetado seus traumas em nós. É importante perdoá-los”;
  • “Eu te amo, eu me amo. Nós estamos seguras(os) agora.”

Comemore o nascimento de sua Criança Interior

Busque a lembrança de sua criança: cabelo, olhos, tamanho, vestimentas. Sinta-se feliz com a sua presença e independente de como você foi recebido ao nascer, se foi planejado ou não, se seus pais celebraram ou não o seu nascimento, celebre esse momento. Seja lá como for que tenha acontecido, reserve um momento para celebrar, de forma diferente, o renascimento de de sua criança interior. De as boas vindas a ela e, nesse momento, diga à sua criança, tudo que diria a um bebê muito amado e esperado que tivesse acabado de nascer.

Com o propósito de unir-se a ela de forma carinhosa, pense em tudo que você sempre quis ouvir de seus pais e diga à sua criança, expresse todo o seu amor. Deixe que sua criança saiba o quanto ela é amada por você. 

Em seguida, sinta o quanto você é amado(a) por sua criança interior e, que seus laços se fortaleceram para nunca mais se romper.

Brinque com sua Criança Interior

Por acaso, você lembra do que gostava de brincar quando criança? Lembra seu desenho animado, filme ou música preferida? Quando foi a última vez que você fez alguma dessas atividades?  

Muito bem, então deixe seu lado infantil vir à tona! Guarde um tempo para se divertir! Assista aquele desenho que você adorava quando era criança, coma aquele doce que você pedia sempre aos seus pais e eles não deram, porque não podiam ou achavam que não era o correto, não importa o motivo. Pule, dance, cante, sem motivos, apenas faça.   Por fim, veja outras crianças brincarem, isso também vai te trazer lembranças de suas próprias brincadeiras.  

Esses exercícios podem gerar muitas emoções, por isso não tenha pressa, faça no seu tempo. Se necessário, pare, respire, reinicie em um outro dia.   Curar a jornada interior é um processo muitas vezes LONGO, já que é nesse reencontro que aprendemos a ter paciência e aceitação por nós mesmos e por nossa história.  

Um pouquinho de mim

Sou Terapeuta Complementar e Consteladora Familiar. Trabalho seguindo a Visão Sistêmica, com crianças, adolescentes e adultos. Faço atendimento Presencial e Online, com a finalidade de contribuir com a melhora comportamental como um todo.

Auxilio o paciente a encontrar o caminho do autocuidado e autoconhecimento. Se você se sente ansioso, depressivo, com problemas emocionais saiba que a terapia será de grande apoio e direcionamento.

Portanto se percebe que deve dar mais atenção a sua saúde mental, por exemplo no processo de autoconhecimento, também a terapia poderá te ajudar a ter mais consciência de suas questões e sofrimentos.

Poderá ajudar a recuperar tanto seu bem estar e auto estima quanto no resgate de si mesmo.

Contar com ajuda e um profissional qualificado não é sinal de fraqueza! Então, se você passa por alguma situação difícil neste momento, saiba que não é necessário passar por isso sozinho(a) ou, ainda, se apenas quer buscar uma conexão consigo mesmo, em busca da vida que é de seu merecimento e direito, ele poderá ajudá-lo.

Marque um horário e me dê a oportunidade de apresentar à você tudo o que a terapia sistêmica poderá fazer por você.

Veja também: https://laircecardoso.com.br/pedacos-da-vida/nem-perguntas-nem-respostas-mas-sentimentos/

Siga-me no instagram e veja mais dicas: http://@lairce_cardoso_ofc

Sobre o Autor: Lairce Cardoso

|

Nasci no berço da família Cardoso, na cidade de Paranapuã, no interior de SP no dia 15 de Julho de 1.963. Sou a nona filha do Senhor Libério e da Dona Lindaura.

Deixe uma mensagem

Qual o seu nome?
Preencha com um e-mail válido
O seu endereço de e-mail não será publicado
Digite uma mensagem :)