Blog Lairce Cardoso

Lairce Cardoso

A MULHER QUE QUEREM QUE EU SEJA

11 de março

Não seja a mulher que querem que você seja. Seja a mulher que você é. A liberdade vale mais que os padrões. (Clarice Lispector)

Foto mulher delicada com flores Tumblr #fotografia #tumblr #delicada | Mulheres  delicadas, Looks, Blusas formais

É bem verdade que nós, mulheres ganhamos ao longo desses anos, um espaço consideravelmente respeitado em vários segmentos da vida. Mas, por favor, me corrijam se eu estiver errada, mas bandeira levantada sempre foi pela busca por mais igualdade e, não para nos elevar em detrimento do outro.

Porque se observamos cuidadosamente, este avanço não se deu na medida desejada de partilha, mas às vezes me parece um campo aberto de competições.

Percebo que, apesar de que nos dias de hoje a mulherada, sejam tão empreendedoras quanto os homens (e em algumas modalidades até mais do que eles), possuam mais escolaridade, trabalhem mais e estejam com autoestima elevada, ainda existem algumas distâncias consideráveis a serem percorridas.

Isso porque, os homens mas também as próprias mulheres, ainda não conseguiram entender muito bem, que bicho esquisito é esse que todo mês sangra (como cantou Rita Lee) e até agora estão procurando um protótipo que caibam nesse modelo da raça humana. 

Uma coisa é certa

Quando o assunto, então é relacionamento, a distância fica ainda mais evidente. As mulheres continuam almejando um ideal romântico de parceiro, casamento para toda a vida, filhos e família, ainda que o neguem.  E os homens, por sua vez não legitimam estes “quereres”, e tampouco se mostram preparados a ponto de escolherem uma parceira que lhes seja igual.

Neste contexto, pelo menos pra mim, tudo fica sem pé nem cabeça. As mulheres querem ter a força da leoa, mas, ao mesmo tempo desejam (ainda que não admitam) serem dengadas como gatinhas. Os homens querem dengá-las como gatinhas, desde que elas ronronem com a força da leoa, pois precisam delas com toda essa coragem (embora, também não admitam).

Ela não é frágil, é delicada | A Terapia de Alice

Então a pergunta que não quer calar: Afinal como nós, homens e mulheres, queremos que seja, de fato, a raça feminina?

Venho falando em alguns dos meus posts, que me incomoda muito todo esse poder exarcebado sobre o empoderamento que algumas mulheres brandam por aí, assim como a resposta que alguns homens dão a isso. Ainda penso que cada um deve respeitar as diferenças existentes entre os sexos (e há).  Afinal são as diferenças que completam e equilibram os relacionamentos, ainda que a preferência seja pelo mesmo gênero sexual, há que haver diferenças. Pensem! Do contrário o casal se transformaria num borrão da mesma cor. E, vamos e convenhamos, qual a graça teria nisso?

Bom senso é o melhor tom

Ainda penso que a bandeira a ser levantada é a do meio termo, a violência masculina é absurda, transforma os homens em criaturas cruéis, em vândalos. Porém o desespero feminino na busca de ser o que não é, emite todos os dias um sinal de alerta do tipo:  estou perdida e não consigo mandar nenhum S.O.S inteligível pra ninguém, nem pra mim mesma. Ninguém sabe onde estou.

Nem tanto ao céu nem tanto ao mar. Essas campanhas disputando o melhor lugar ao sol me irritam sobremaneira. Quem é mais isso, quem é mais aquilo, o homem ou a mulher? Porque as mulheres são mais aquilo e os homens são mais isso? Porque homens tem mais direitos e mulheres tem que ser mais obedientes?

Nunca vi tanta infantilidade, parecem crianças birrentas disputando o colo dos pais. Não aprovo o jeito machão que quer resolver tudo na base da violência e da pancadaria, isso deixa um rastro trágico de sangue, no solo do Universo.  Mas também não aprovo o exagero no discursos do empoderamento feminino, isso instiga a disputa a competição e a calamidade.

 Aprovo o bom senso de conceder os direitos aos seus legítimos donos, na medida que cabe a cada um, nem mais, nem menos. Realmente, penso que deveríamos ser mais inteligentes e gastar nossa energia pelo bem comum. Trabalhar para sermos felizes, nem maior, nem menor. Juntos e felizes!

Viva a diferença

Se não fosse para ter diferenças porque fomos criados diferentes? Se fosse para ser tudo igual, deveria ter sido criados só Evas ou Adãos. Mas foram criados os dois, com as diferenças que lhes cabem.

Ao invés de querer ser todos iguais, deveríamos aprender a respeitar as diferenças entre os homens e mulheres e tirar o melhor proveito disso. Se aprendêssemos a somar ao invés de dividir, aí sim, cada um estaria no seu devido lugar.

Empoderar significa possuir poder, autoridade, domínio, em outras palavras, ter domínio sobre a sua própria vida. Significa ter a capacidade de tomar decisões sobre as coisas que lhe compete. Traduzindo, empoderar é ser independente e, está longe de nivelar tudo nas mesmas condições.

Pin de Zenaira Gallas em Amor | Fotografia de casais, Fotografia criativa  de casais, Ensaio fotografico casal

Pelo amor de Deus! Não vamos transformar tudo num borrão cinza, porque o mundo perderá a graça, deixe o azul e o rosa sobreviverem (no corpo de quem quiser usar).

Mulheres sejam independentes, exijam seus direitos e espaços sim, mas conservem seu lado mulherzinha: chorem quando tiverem vontade, sejam loucas por flores, não vivam sem os seus hidratantes, acessórios e penduricalhos. Apreciem o cavalheirismo (é eleganterrímo), curtam ficar de mãos dadas no cinema, devorem revistas de moda e decoração. Fiquem chocadas ao ouvirem expressões grosseiras. Em outras palavras, deixem a essência da alma feminina ser sua marca registrada, independentemente da sua preferência sexual.

E, aqui entre nós, sejamos sinceras, existe coisa mais deliciosa do que se engalfinhar nos braços daqueles seres mal acabados chamados homens. E, quem não gostar que atire a primeira pedra!

Veja Também: https://laircecardoso.com.br/pedacos-da-vida/e-se-a-sua-vida-fosse-um-filme/

Siga-me: http://@lairce_cardoso_ofc

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é cartao-blog-1024x577.jpg
Sobre o Autor: Lairce Cardoso
Lairce Cardoso

|

Nasci no berço da família Cardoso, na cidade de Paranapuã, no interior de SP no dia 15 de Julho de 1.963. Sou a nona filha do Senhor Libério e da Dona Lindaura.

Deixe uma mensagem

Qual o seu nome?
Preencha com um e-mail válido
O seu endereço de e-mail não será publicado
Digite uma mensagem :)